Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/10071
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorMIRANDA, C. L.
dc.creatorNOGUEIRA, A. C. G.
dc.date.accessioned2018-08-02T00:17:24Z-
dc.date.available2018-08-01
dc.date.available2018-08-02T00:17:24Z-
dc.date.issued2018-03-27
dc.identifier.citationNOGUEIRA, A. C. G., O CIRCUITO INFERIOR REPRESENTADO PELOS AMBULANTES EM VITÓRIA: UM ESPAÇO OPACO NA JERÔNIMO MONTEIROpor
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/10071-
dc.description.abstractNa década de 1970 Milton Santos (2008, [1971, 1975, 1979]) apresentou pela primeira vez a teoria dos Dois Circuitos da Economia Urbana dos Países Subdesenvolvidos. Ainda atual, a proposta do autor é que os países Subdesenvolvidos, denominados dessa maneira à época, sejam alvo de uma teoria particular que contemple dois circuitos da economia urbana: um superior e outro inferior. Ambos se caracterizam pelo conjunto de atividades realizadas em certo contexto e pelo setor da população que se liga ao circuito pela atividade que pratica e pelo consumo. Em continuidade aos estudos de Milton Santos, María Laura Silveira e Marina Regitz Montenegro propõem análises que contemplam o papel do meio construído contribuindo, especialmente, quando se busca interlocução entre a geografia e a arquitetura por meio do espaço habitado. O objetivo geral, portanto, é analisar a ocupação do espaço urbano em Vitória através da teoria dos Dois Circuitos da Economia Urbana dos Países Subdesenvolvidos considerando as atividades desenvolvidas por determinado nicho do circuito inferior, os ambulantes, as características da população que as desenvolve, assim como o papel do meio construído com o recorte espacial limitando-se ao largo em frente à Praça Oito de Setembro na Avenida Jerônimo Monteiro no Centro da cidade de Vitória. Trata-se de setor da população composto, principalmente, por homens acima de 50 anos, chefes de família e únicos provedores de renda no lar. Quanto às características da atividade praticada, falta acesso à tecnologia básica, principalmente da informação, necessária para que um negócio possa se desenvolver. O trabalho precisa ser intensivo. Falta capital inicial e de giro que permitiriam reinvestimentos e acesso, inclusive, à tecnologia, assim como falta organização para o acumulo de capital. Quanto ao papel do meio construído, trata-se de um espaço com características especificas de ocupação que podem engendrar a expulsão do circuito inferior atualmente instalado. Palavras-chave: Economia Urbana. Espaço urbano. Comércio varejista. Circuito inferior. Ambulantes.por
dc.formatapplication/pdfpor
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleO CIRCUITO INFERIOR REPRESENTADO PELOS AMBULANTES EM VITÓRIA: UM ESPAÇO OPACO NA JERÔNIMO MONTEIROpor
dc.typemasterThesisen
dc.contributor.memberMONTENEGRO, M. R.
dc.contributor.memberZANOTELLI, C. L.
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismopor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado em Arquitetura e Urbanismopor
Appears in Collections:PPGAU - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
tese_11904_Ana Carolina Nogueira.pdf47.19 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.